Alan Guedes recrimina ataques contra indígenas por conta da pandemia
Os casos começaram a ocorrer nas redes sociais, após a contaminação da primeira indígena pela Covid-19
Vereador Alan Guedes durante sessão ordinária remota nesta segunda, 25
Foto: Assessoria
27/05/2020 15:35

O presidente da Câmara de Dourados, vereador Alan Guedes (Progressistas) se pronunciou, durante sessão ordinária desta segunda-feira (25), sobre os ataques que indígenas vem sofrendo em Dourados e em todo o Estado, decorrente da contaminação da Covid-19. De acordo com a secretaria municipal de Saúde, dos 197 casos confirmados em Dourados, 58 são da aldeia indígena.

Durante a tribuna livre, o vereador apontou que desde que a primeira contaminação ocorreu na Reserva Indígena de Dourados, ele tem ouvido histórias sobre o preconceito que os indígenas vêm sofrendo, principalmente nas redes sociais. Com isso, ele repercutiu uma matéria da jornalista Valéria Araújo publicada no site do jornal O Progresso, que repercutiu os comentários racistas.

“A matéria fala do nível de preconceito que tem atingido os indígenas, não só de Dourados, mas de todo o Mato Grosso do Sul. Assunto de maior gravidade e é nosso dever não permitir que uma questão tão grave como esta se dissemine”, afirmou Alan.
O vereador ainda citou caso de uma indígena, moradora de uma aldeia que faz divisa com Dourados e que não conseguiu entrar em um supermercado, devido a decorrência da contaminação na reserva. “Isto é muito grave. Que possamos ajudar na conscientização das pessoas. O problema na aldeia é grande e o preconceito e a discriminação não ajudarão a resolver absolutamente nada. Nós precisamos estender as mãos, como cidadãos, para ajudar na mitigação dos efeitos da pandemia nas reservas indígenas”, ponderou.

Segundo o médico e membro do Comitê de Gerenciamento de Crise do município, Frederico Weissinger, desde o surgimento do primeiro caso, no dia 21, até domingo (24) houve uma quebra da transmissão viral na reserva indígena, por conta do bloqueio extensivo realizado pela Vigilância Epidemiológica. “Isto fez com que os casos se mantivessem dentro do espalhamento habitual do vírus, com isso não tivemos um aumento exponencial”, comentou.

O médico ainda pontou que de domingo para segunda-feira (25) foram realizados 100 testes em Dourados, sendo que 94 foram dentro da Reserva Indígena.

Texto/Fonte: Assessoria

Informativo da Câmara

Cadastre seu e-mail para receber novidades da Câmara Municipal de Dourados.